domingo, 24 de fevereiro de 2008

DOMINE, MISERERE MEI!




Eu não sei, Senhor do Universo,
quantos são os de Tua casa
e quem, por desgraça tremenda
não entrará nessa mansão.


Eu apenas sei, meu Senhor e meu Deus,
que nunca poderá o contingente
medir os Teus sábios decretos,
nem há-de a nossa pobre condição,
cega de feia e infernal soberba,
debater a Tua vontade soberana.


Nisto, como em tudo o mais,
agora, depois e eternamente,
bastar-nos-á a glória infinita
do Teu nome santo e imaculado,
que um dia se ouviu sobre o Horeb,
quando falaste a Moisés, Teu eleito.



Que nos deves, Senhor, ou que há
que não seja criatura Tua?
Quanto somos de Ti o recebemos,
por onde claramente se vê
que temos de cantar os Teus louvores,
num hino da mais pura melodia.


O drama do calvário, Senhor,
com eloquência tinta de sangue,
àqueles que fomos postos em desterro
pela culpa, de que nos redimiste,
mostra como a Tua
misericórdia
vai mais além dos braços que, na cruz,
abriste a todos nós, pecadores,
sem que a Tua justiça fique atrás.


Diante do amor, que nos continuas a dar,
confesso, Senhor, que só me aflige
andar esperando a minha felicidade,
em lugar de querer-Te por Ti mesmo!


Quaresma, 2008

Joaquim Maria Cymbron

Sem comentários: