quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

O REI FIDELÍSSIMO

 




S.M.F. o Sr.D.Miguel I foi um confessor da fé e um mártir da tradição!
 
Um dos grandes males do nosso tempo é a indefinição. Sinto, mais uma vez, a obrigação indeclinável de ser claro. Proclamando o que tenho por verdadeiro, fico em paz comigo. Os que me lerem, hão-de dar às minhas palavras o valor que entenderem. Entretanto, para mim sobejará sempre algo que não me podem tirar: a quietude resultante da consciência do dever cumprido.

Assim, direi:

Uma tragédia tem de ser lamentada, mas não pode nunca servir para alimentar um mito. Isso será emotividade e ingenuidade, quando não for uma grande dose de hipocrisia.

A monarquia, em Portugal, finou-se em 1834; deixaram-na em câmara ardente algum tempo mais; em 1910, levaram-na a enterrar. O mais é salvatério!
 
Joaquim Maria Cymbron