sexta-feira, 10 de abril de 2009

INFIDELIDADE





Pai! Pai! Porque foi que me abandonaste?
Perguntava Jesus, na agonia,
Daquela acerba hora, que vivia,
Sem que por isso o Pai a dor lhe afaste.

O sangue divino que derramaste,
Foi sumo tributo que redimia
A pobre humanidade, que sofria,
Escrava do pecado que pagaste!

Assim o eterno Pai ao Filho amado,
Revelava o porquê alto e profundo,
Pelo qual O havia abandonado.

Exulte-se, pois! Triste, o maior dó
É o de quem pergunta, lá no fundo:
Pai! Porque te terei deixado só?


Semana Santa, 2009


JOAQUIM MARIA CYMBRON