segunda-feira, 9 de outubro de 2017

A PRAGA DO ILUMINISMO

 
Portugal é terra de Santa Maria. Por isso, como tantas vezes tenho feito, volto hoje a colocar as minhas palavras sob o Seu manto de Mãe extremosa. E, ao Santo Condestável, devoto ardente da Padroeira de Portugal, peço-lhe que rogue pela Pátria que tanto amou!
 
Começar por falar de terror, quando o cabeçalho se vira para o Iluminismo, pode chocar alguns, que se confessam incapazes de ver a relação que há entre uma coisa e a outra. Precipitam-se, julgando a partir do que é uma impressão imediata e, com esta atitude, iludem-se a si próprios. Mas, mesmo numa análise mais profunda e demorada, não será isto misturar alhos com bugalhos? --- Não, não é! Porque aqui, pretende-se realçar como o Iluminismo não é menos terrífico do que aquilo a que se convencionou chamar terror. Mais que isso: o Iluminismo é antepassado, em linha recta, do moderno terror. Portanto, um exame sucessivo destas duas realidades --- Iluminismo e terror --- ajudará, assim se espera, a localizar o ponto exacto onde se situa o verdadeiro terrorismo. É a desordem nas ideias que conduz ao pecado e ao crime: os actos humanos são precedidos de uma elaboração mental, sem o que não iriam para lá de uns gestos automáticos, cuja dinâmica seria inculposa e, portanto, livre de toda a reprovação ética. Por isso, para uma boa arrumação de noções e dos termos que as traduzem, bom será que não se trate do efeito sem estudar a causa: o efeito, que aqui se descreverá, é o terror, não importa quem sejam os seus executantes, embora a acusação recaia hoje, quase por inteiro ou mesmo exclusivamente, sobre o Islão; a causa, na sua máxima parte, é o Iluminismo.
Logo se perceberá melhor como e porquê:
Suicidas e loucos? Eis o refrão que mais se espalha sobre o pântano da política que nos calhou viver. Os mimoseados com estas melífluas palavras, quem são? Os que já se sabe --- os jihadistas!
A tudo se recorre, numa tentativa desnorteada de lançar o descrédito sobre as gentes do Islão. Isto é obsceno; imbecil; e, acima de tudo, é criminoso.
De entre multidões que estão aglutinadas por uma crença religiosa, aponta-se o dedo a uns que pegam em armas e criam pânico. A seguir, com a maior ligeireza, a esses e aos que comungam da mesma fé, põe-se-lhes um duplo ferrete: suicidas e loucos!
O que custa compreender é como, sendo suicidas e loucos, se passeiam em solo que não é o deles, como o vencedor de uma guerra pisa território conquistado. É assim tão difícil combater os que são inclinados ao suicídio e têm a mente perturbada?
Desenhar uma estratégia bélica não é tarefa fácil: pressupõe uma cabeça lúcida e equilibrada, fértil em planos! Mandar homens para a morte não é menos espinhoso: requer pulso firme! E estar pronto a sofrê-la, com abertura de ânimo, ainda é mais raro, mesmo raríssimo: exige a consciência do que pode vir! Ora nenhuma destas virtudes se encontra num louco, pelo menos enquanto dura o seu estado delirante. Pode, casualmente, um louco privilegiado conseguir um destes resultados, num acto isolado; nunca, porém, em acção concertada e permanente. De resto, se não é assim, então os manicómios passariam a constituir um perigo público reclamando um pronto bombardeamento cirúrgico.
E um suicida, que ameaça constitui? --- Um suicida, no plano que cuidamos, é um inimigo a menos.  
De modo que, repetida a interrogação inicial, apetece perguntar de que lado está o delírio.
Realmente, a loucura é um estado que não se torna fácil determinar com precisão. A associação de suicidas a loucos parece formar uma categoria de duas realidades reciprocamente assimiláveis, de modo que, verificada uma, necessariamente se seguirá a outra. Faltaria prová-lo. Contudo, para quem a admita, teríamos que estes soldados do ISIS não são nem uma, nem outra coisa.    
Se a loucura, como acabou de ser dito, é domínio onde resulta difícil entrar, a qualidade de suicida já não oferece a mesma resistência a quem deseje defini-la. E se, em virtude de uma pretendida associação do suicídio à loucura, se demonstrar que os combatentes do exército do ISIS não são suicidas, a conclusão inelutável é a de que também não são loucos.
Não são suicidas, porquê?
Há suicídio, quando o ser humano, não suportando já o peso da vida, opta por lhe pôr cobro, fugindo assim dessa carga. No outro pólo, temos aqueles que, sem procurarem a morte, se dispõem a correr esse risco para satisfazerem um fim superior. É, portanto, grande a diferença que vai do desprezo pela vida ao desprezo pela morte: o primeiro é característica do suicida; o segundo é timbre do mártir, sabedor de que vai morrer, mas que aceita esse resultado para o triunfo de uma causa que o transcende e que ele quer servir. É fora de dúvida que pode levantar-se a questão da bondade da causa pela qual se morre. Discussão muito válida, mas que não anula a distância que impede a confusão entre a generosidade de quem se sacrifica por um ideal e o impulso daquele que corta o fio da sua existência física, porque nele secou o apetite por tudo o que a vida terrena lhe poderia dar.
Consequentemente, se os guerreiros do ISIS, como parece demonstrado, não são suicidas, então é líquido que esses soldados também não são loucos por força da assimilação, que atrás vimos, do suicida ao louco. Loucura seria a temeridade de continuar a caluniá-los com esses nomes. E se, como é dever nosso, nos lembrarmos do passado de Portugal, regado do sangue de tanta ascese mística e repleto de imensas doses de um abnegado heroísmo, depressa nos daremos conta que não fica bem tão primária repulsa contra os que, com tanta leviandade, são pintados de cores demenciais. Seria, até, feíssima ingratidão para com os nossos maiores, considerar loucura ou sinal revelador de tendências suicidas todo o cúmulo de oblação e de sacrifício que a nossa história pátria exibe. Nem interessa, para o que agora se discute, que sejam os propósitos do ISIS distintos na raiz, nos meios e nos fins daqueles que animaram os Portugueses de Quinhentos. Aqui, trata-se de outra coisa. Mas, como já se verá, não será por isso que vai sem juízo moral o que se abordou.
Duvidar do subido mérito de quem faz entrega da sua vida em favor de uma causa elevada, sobre ser injusto, é estólido. É esse o acto de maior caridade que pode o homem praticar, assim rezam as Escrituras.1 E a caridade, diz o Apóstolo, é a mais excelsa das virtudes teologais.2
Mesmo que a causa final de quem se imola esteja privada de bondade, não é prudente escarnecer do seu agente, relegando-o para a classe dos loucos suicidas. A coragem é sempre predicado altamente positivo mesmo quando mal encaminhada. Porque, estejamos sempre atentos a isto, se é certo que o facínora, que é valente, quando convertido se pode transformar num herói sem mancha e, até mesmo, em santo a elevar aos altares, já o pusilânime, mesmo animado de recta intenção, não consegue ir buscar a bravura que não tem.
Cautela, pois, não suceda que os ditos loucos suicidas lancem um ataque decisivo, e não encontrem a fazer-lhes frente mais do que gente vacilante entre a incógnita que são os nebulosos valores da Democracia e uma decisão a não tomar nunca, o que a arrastará ao matadouro.
Eis porque não parece demais ter-se dito que os ataques verbais, aos povos do Islão, são uma prática obscena, imbecil e criminosa.
Adiante! É visível, neste angustiante problema, que a emoção se vem sobrepondo à razão. Não tem de admirar. O que surpreende é que haja quem brade: «Não temos medo!»
Se este grito não é mentiroso, será o desabafo de inconscientes. A verdade é que devíamos estar com medo. Nem isso há-de envergonhar! O medo é, para os seres humanos, como a dor que mostra ser amiga, porque nos adverte de que um mal aflige a nossa saúde física; assim está o medo, essa primeira reacção psicológica e fisiológica, que temos, quando postos diante de uma ameaça. E quando não é produto de um temperamento nervoso e doentiamente impressionável, mas ameaça de um perigo real, então o medo é merecedor da nossa gratidão, porque prepara quem o sente para a resposta adequada. Quando essa resposta se verifica, aí temos os heróis dispostos segundo o grau do perigo que arrostaram; os outros são a massa que vai atrás.
Para esse combate, e antes de vencer o medo, importa definir o inimigo. De outro modo, é lutar no escuro. E, nesta definição do inimigo, vem-se falhando rotundamente.
Com um mundo à deriva nas procelas deste mar borrascoso, nós,  Portugueses, temos redobrada obrigação de não errar se queremos identificar o inimigo e situar onde ele está. É escusado remontar à época em que a cobiça protestante das grandes potências, que despontavam na Europa, começou a olhar para o nosso império ultramarino. Basta que nos fixemos na fase final do que foi uma gesta multissecular tão ignobilmente atraiçoada.
Sem esquecer o que, antes do 25 de Abril, formou o jogo concertado dos bastidores da política mundial, e que de modo nenhum foi pouco, há um episódio posterior àquela data que esclarece, com insuperável nitidez, onde devemos procurar as legiões que, possuídas de sanha desmedida, atacaram um dos mais tenazes paladinos daquilo que ia sobrando da civilização cristã.
Pode Portugal afirmar, com legítima ufania, que travou o que, até à data, foi o último combate em defesa do Ocidente, o Ocidente genuíno porque se tratou daquele corpus mysticum, temperado ao fogo da Respublica Christiana, padrão de uma universalidade de povos, todos eles filhos do mesmo Deus.
Neste esforço colossal, Portugal não desmereceu do seu passado de honra e de glória, até sucumbir vítima da maior felonia que o atingiu, no decorrer da sua longa vida como nação soberana. A isto, já se aludiu. Quando se dá, pois, o golpe de misericórdia, num momento em que muito (quase tudo ou talvez mesmo tudo) ainda se poderia salvar? Pelo menos Angola teria sido bem possível. E dizer Angola, é dizer muito.3
Não cabe ao Islão e, menos, ao Daesh, a responsabildade pelo que, então, sucedeu. Na derrota sofrida, o nome do carrasco, que ali se lê, é o dos States. Gritai aos quatro ventos o que quiserdes contra os Muçulmanos, se isso vos apraz. Mas onde virdes Judeus não os acuseis de serem perversos como Mouros, nem digais destes que são discípulos escrupulosos da Tora. Uns e outros são distintos. Haja rigor nas palavras, ao menos, para que o verbo seja expressão correcta do pensamento. Sempre fez muita falta; e, hoje, talvez mais do que nunca.
Olhemos agora para a Europa, e oiçamos um clamor que sobe. São as queixas de quem pede e espera medidas que travem os abusos dos imigrados. Isto é de aplaudir. O que não se entende, é o caminho escolhido, nem o lugar onde os respectivos governos colocam a origem do mal.
Quando ainda há pouco tempo foi notícia festejada uma lei austríaca que impõe aos adventícios a assimilação dos valores do Iluminismo, convém distinguir o acto, in se, e a teleologia do mesmo. A Áustria é um estado soberano e, como tal, cria o seu prório Direito. In abstracto, no fim pretendido por esta norma, que aparentemente visa preservar a identidade do povo austríaco, nada há de censurável. O mesmo já não se poderá dizer da base moral em que se apoia: o Iluminismo não é padrão a tomar como exemplo porque ele é a raiz próxima do descalabro que se vive.
Este vulcão de ideias foi o sopro vivificante que encheu a Enciclopédia de Diderot e D’Alembert. Um sopro mau, diga-se de passagem, alimento de todos as convulsões sociais que sacudiram o séc. XIX, e cujos efeitos bem pode dizer-se que se arrastaram até ao presente. É um sistema não menos satânico que outros, hoje elevados à categoria de Bestas do Apocalipse, com o que se incorre no risco de esquecer este. Quem, todavia, conservar os olhos abertos, rapidamente observará que o Iluminismo é um velho demónio, sempre pronto a rasgar o que resta do debilitado poder temporal, fundado na lei natural que é lei de Deus. Nem desiste das tentativas de derrocar o Chefe espiritual da Cristandade. Sem dúvida, neste combate, o Iluminismo é um inimigo muito mais insidioso que, porventura, possa ser o papão islamita escondido atrás de uns quantos refugiados. A menos que esta invasão seja mais uma arma de colheitas tardias do que essa doutrina semeou, proclamando ser foco de uma luzes redentoras, que afinal não eram mais que trevas e como trevas, que eram, só podiam produzir a morte. Probabilidade esta a ter seriamente em conta. Nesta sequência, o mal terá transitado para a democracia e para o liberalismo, o que, de modo algum, repugna conceder. Não completa isto o plano de subversão universal? É claro que sim!
 
A fúria sanguinária do Daesh, esta horda que por razão alguma é lícito confundir com a religião que os seus militantes dizem professar, essa sanha criminosa, frise-se outra vez, encontrou um continente inteiro, que foi belo e grandioso lar da mais sublime civilização que o homem jamais gozou, deu com ele, repita-se, num estado vizinho da agonia. Há podridão de uma ponta à outra.
Perante os nossos olhos, descobre-se uma Europa, outrora ridente, obreira de catedrais e missionária da Fé que em seus muros se confessava, mas que, mais tarde, apostatou em Wittenberg, até acabar laica ou mesmo ateia e, no presente, se transformou numa amálgama territorial, impotente para se encontrar dentro do próprio espaço que criou. As barreiras físicas caíram e, atrás disto, foi o que restava da personalidade nacional dos seus naturais. Contrariamente ao anunciado, vimos assistindo a uma perda sucessiva e continuada das notas distintivas que caracterizavam os seus povos, não se adivinhando a mais pequena compensação para equilibrar este debilitamento progressivo, e sem outro denominador comum que não seja um vazio de esperança no futuro. Aliás, prodígio seria que outro fosse o desfecho, visto que a Europa, como antes se referiu, perdera já os seus valores morais, os únicos pilares que a poderiam robustamente suster como um corpo solidário, rico de conteúdo espiritual. E apenas o espírito é capaz de dar vida.
Este espaço disforme e sem alma é, hoje, albergue de uma população gasta pela idade não renovada; que está convidada a seguir uma moral  assexuada; e onde a família passou a ser uma cruciante saudade, com o que, tudo somado, em prazo relativamente curto, se terminará numa esterilidade quase generalizada. A realizar-se o quadro desta prognose, isso marcará o fim de uma cultura, porque um povo numericamente encolhido, carregando aos ombros uma geração avelhentada, é presa fácil de quem quiser ferrar-lhe o dente. Era, pois, de prever, no estado a que foi reduzida, que a Europa se tornasse couto apetecido dos primeiros bárbaros que dessem conta do seu grau de decadência.
Ao mesmo tempo, não deverá espantar que o apelo aos valores do Iluminismo, lançado pelo governo da Áustria, seja uma reedição serôdia da política do Josefismo. O que aqui se supõe, pode ser que não explique tudo, mas estende mais o campo se quisermos lançar a ponte com a experiência vivida em Portugal, o que é sumamente importante. O toque de trombetas, chamando a formar detrás dos princípios que informaram o Iluminismo, quer naturalmente seduzir quem o escuta. Mas este pregão é pérfido: a situação actual provém daquele sistema na qualidade de herdeira espúria. O que vivemos, mais não é do que a fatalidade genética dessas ideias de confusão e desgraça.
Afirmava Platão que a cidade política não seria feliz, enquanto os filósofos não fossem reis ou o contrário.4 Voltaire terá entendido que seria difícil fazer reis dos filósofos e resolveu o problema, percorrendo o trajecto no outro sentido. Colheu, pois, o ensinamento daquele filósofo grego, e aplicou a lição a Frederico II da Prússia, de quem era conselheiro.
Áustria e Prússia têm a mesma mãe --- é a Germânia. Embaladas em berços próximos, pela raça e pela geografia, compreende-se a semelhança e convergência dos seus sonhos de imperium. Foi grande, enormíssima até, a influência por eles exercida e que alastrou por boa parte da Europa, que as lojas maçónicas, entretanto, iam ganhando para os ideais do Iluminismo.
Entre nós, o despotismo esclarecido teve o seu executante fiel no Marquês de Pombal, senhor de um imenso poder, recebido das mãos do Rei. É durante o governo deste infame imortal, na ajustada denominação de Camilo Castelo Branco,5 que o absolutismo régio, contrário à doutrina tradicional do poder, mas que, há tempo já vinha assomando, que este absolutismo, repise-se, amadurece no seio do Iluminismo, para aí vir a tocar o seu zénite. Daqui podia vir tudo, como de facto veio. O cenário português é apenas mais um dos dramas desenrolados em vários palcos da Europa. É, no entanto, o que requer o nosso especial cuidado, pois é aquele onde já se verteu o nosso sangue e pode voltar a correr por conta dos embustes do Iluminismo.
A política do regalismo absolutista foi a alavanca para que a democracia do individualismo, de gorra com as doutrinas liberais, irrompesse com uma força arrasadora. A Revolução Universal seguia o seu curso, numa rota de saque e de pilhagem. Os portos, a que vai arribando nessa escala das mais negras cores, têm os seus cais de desembarque. Os sobreviventes dos naufrágios sucessivos põem pé em terra, logo que podem. Mas os que saem a recebê-los, são figuras espectrais que, erráticas como os que chegam,  deambulam sem destino sobre esses cais de amargura e desespero.
Voltemos ao Iluminismo e à praga que ele sempre trouxe consigo. Já foi dito que o seu espírito foi alma da Enciclopédia. E esta é expressão consumada da incoerência porque uma filosofia, onde cabem todas as correntes de pensamento, tem forçosamente de desembocar num caldo de culturas, antes de se negar a si mesma num sincretismo relativista, teórico ou meramente abstracto.
Temos, assim, que o multiculturalismo, como o mais natural desfecho daquele movimento, seria risível se não fora o resultado de bem funestas consequências que ele produz. De facto, o comportamento do governo austríaco de invocar os valores do Iluminismo, pretensamente para que não se dilua a identidade do povo de origem, no meio de uma assimilação febricitante e desordenada com diferentes povos, ou é sina de néscios, ou partida da lógica. Uma lógica que, às vezes, reduz os homens a brinquedos quase infantis, rindo-se deles e dos projectos de construção que levantam. Por isto ou por aquilo, é manifesto o nexo de causalidade entre tudo o que o Iluminismo tem, desde a sua génese até às moléstias dele derivadas, e que se desejam anular valendo-se inconsequentemente do seu socorro. O Iluminismo poderia, talvez, ser caminho para tratamento da doença contra a qual se apresenta como sendo o remédio mais eficaz, se se quisesse tentar uma medicina homeopática. Não é, porém, crível que tal venha a dar-se, desde logo porque o propósito com que ele nasceu foi o de lesar e não o de sanar. Além disso, curar um mal físico com o mesmo mal que atormenta o paciente, é terapêutica que não dá nada: será como cobrir de água quem se está afogando.
Do parentesco entre Iluminismo e Enciclopédia já se falou. Neste momento, importa considerar outro dos frutos, por ele gerados e que, tal como o já referido absolutismo régio, foram incubados no ventre daninho da Enciclopédia. Combatendo a construção hierárquica e dogmática da Igreja Católica, acaba, numa explosão de orgulho humano, a proclamar o dogma do racionalismo, autêntica aberração religiosa e filosófica. Isto é: retira força à razão do dogma fundado na Revelação Divina; e, a seguir, já reconhece vigor ao dogma da razão.6 Ou se se preferir: tripudia com a Fé, mas endeusa a Razão. E que admiração há nisto, se toda a catequese enciclopedista é  contradição de um extremo ao outro?
Esta nova espécie de druídas ou magos da Razão nasceu quando a convulsão do enciclopedismo revolveu a mente e o coração dos povos, principalmente o coração porque, naquilo que pregam os seus apóstolos, por muito que falem de Razão, é mais a paixão que a inteligência. Saiu o cortejo de um qualquer templo, marchando pausado, solene, hierático, no começo, para logo depois se derramar tumultuosamente pela praça pública. A bulha não tardou a instalar-se. É um pandemónio sempre que cada um deles se arvora em Sumo Sacerdote da tribo. À vista de todos, desdobra-se o pior panorama. O pior, não! Porque o pior está quando os druídas ou os magos se multiplicam e assim se resvala para o individualismo relativista.
O ideal enciclopedista não repudia a herança iluminista, aceitação essa que o torna no mais cruel dos assassinos, porque, no fim, persegue a alma à qual já matara o corpo. O relativismo por ele defendido é um sistema onde reina a desolação. Este relativismo nega a transcendência. Negando-se a transcendência, negado fica quanto há de absoluto no Ser, outro tanto devendo afirmar-se do que também encerra de absoluto a noção de Verdade, porque ela é um dos atributos que estão acima de todas as categorias ou predicamentos que há no universo do Ser: para este sistema de negação, a Verdade é apenas subjectiva. Esta filosofia escancara as portas à imaginação, e fecha a única via que permite palmilhar o trilho que, por muito que pese aos fiéis da Razão como nova Divindade, conduz ao ádito mais sagrado da Verdade. Por sua vez, em virtude do seu carácter objectivo, a Verdade pode ser em parte alcançada através de certezas que legitimamente se vão formando. O relativismo não é veículo para tão radiante destino.
Donoso Cortés escreveu um dia: «Carlomagno fue la Francia hecha hombre para propagar la idea católica; Voltaire fue la Francia hecha hombre para propagar la idea filosófica; Napoleón ha sido la Francia hecha hombre para propagar la idea revolucionaria.»7
Está certo! A França é a filha primogénita da Igreja. Desgraçadamente, com o rolar dos anos, apareceu a já mencionada Enciclopédia, transportando o lume aceso da Bastilha que veio devastar a cristianíssima pátria de S. Luís. Bonaparte apagou o incêndio, dentro de portas, mas foi espalhar as cinzas por onde passeariam os seus exércitos.
Repentinamente, a sua estrela triunfal deixou de brilhar com o fulgor que até ali mostrara. As águias já não voavam tão alto e, ao fazerem ninho em Moscovo, o seu génio de conquista foi ali encontrar não o seu leito de morte, mas o primeiro de uma lenta agonia. Contudo, não será avisado esquecer que, se Waterloo aparece como a tumba militar do petit corse, isso, na marcha dos acontecimentos europeus, não passou de um desastre episódico, às mãos de quem o combateu. Foi apenas a derrota pessoal de um homem, porque o credo, levado nas baionetas dos seus soldados, abriu sulcos no solo que eles pisavam, adubou-o com sangue à mistura e, dali, germinou uma cultura de frutos peçonhentos.
Quando Napoleão saiu do palco, entrou a Rússia como primacial potência condutora da política europeia. Dava-lhe direito a isso o ter sido alma da Santa Aliança. Com ela, também se levantaram a Áustria de Metternich, a Prússia e a Inglaterra. Dada a peculiar fisionomia do carácter britânico, mesmo quando se veste com trajes conservadores, ao lado da mística Rússia,  com mais intensa fidelidade ao seu projecto, só ficaram os Impérios Centrais. Em conjunto, vieram a formar a falange defensora de uma viciada monarquia de direito divino, procurando extinguir os restos revolucionários deixados pelo inimigo que ela, parte integrante da Santa Aliança, tinha abatido. Foi nessa poderosa falange que se situou o mais formidável bastião contra os danos enciclopedistas gerados pelo Iluminismo.
É incontroverso que o artífice desta fortaleza foi o Czar da Rússia; entretanto, a sua aplicação na política europeia deve-se a Metternich. No entanto, os males que a Santa Aliança se propunha debelar, esses males cuja origem está determinada, pioraram, ainda mais do que estavam, e degeneraram em cancro, tumor maligno que rói as nossas sociedades e que continua por extirpar. Ao mesmo tempo que nada se faz no sentido de pôr cobro a uma situação em que é letal o risco de sobrevivência colectiva, aconteceu ser, ali mesmo no solo pátrio de Metternich, que se veio a ouvir um grito quase necrófilo, porque apela ao respeito pelo código de valores do Iluminismo!
Nesta medonha procela, qual o potentado capaz de trazer saúde temporal às nações? Os States? --- Não há fiar neles, porque nem os próprios confiam na linha política que seguem! A Europa? --- Só por ironia! Quem resta? --- A Rússia! Terá o novo Chefe do Kremlin estatura exigida para tão ingente missão? Há muitos sinais disso!
Voltemos um pouco mais atrás, justamente ao ponto em que da queda de Napoleão, se saltou para a monarquia destemperada que as cortes de São Petersburgo, Berlim e Viena ditavam à Europa.
Esta reacção é, também ela, um erro monstruoso, daqueles que tantas vezes se cometem na esperança de justificar o que está desprovido de bondade. As instituições jurídico-políticas humanas e outras não se sentem satisfeitas no que é positivo. Aspiram a mais que isso. Não lhes basta a legalidade; reclamam legitimidade! E essa anda afastada do falso direito divino dos reis, em tudo equivalente ao absolutismo régio propugnado pela Enciclopédia.8  Ao tratar do consulado pombalino, já vimos a censura que merece tal enormidade.
É um mal crónico: à iniquidade, talvez de boa fé, certas almas não resistem à tentação de responder com excesso, o que é sempre condenável, porque não há virtude onde faltar a prudência. Só o extremo ocidental da Europa  não renegou a herança moral do seu passado. Como quando os célebres tercios da infantaria espanhola, neste continente, levavam de roldão as hostes protestantes e D. João de Áustria vencia em Lepanto, ou as bombardas das nossas naus iam ferir os flancos do Turco, e cruzávamos as águas do Extremo-Oriente, foram as duas nações peninsulares que, três séculos volvidos, uma e outra fechariam em quadrado cerradíssimo para defesa dos valores intemporais. Infelizmente, estava-lhes reservada a sorte que coube ao Filho do Homem, Verbo absoluto da Verdade: levantando a bandeira da Tradição, que não se confunde com nenhuma heresia política, Portugal e Espanha deram testemunho do que é subir, humanamente, ao calvário da Legitimidade. Não exactamente como Cristo crucificado, porque esse é um sacrifício único e irrepetível, mas estas nações também gemeram as agonias da morte, aos pés da Quádrupla Aliança. Da qual, recorde-se, fazia parte a velha Albion, pérfida e cínica como sempre, quando não é simplesmente o caso de ser egoísta em sumo grau. O veneno do Iluminismo tinha penetrado em profundidade.
Se Portugal, vencido em África pela traição de uns desnaturados, mas revigorado pela acção combativa ali desenvolvida, souber reencontrar a sua perdida vocação histórica, será a Pátria renovada, o que pode significar a vitória da Legitimidade num mundo que perdeu o sentido desse bem. O valor de Portugal, mesmo quando foi grande nos limites fugazes do que é terreno, esteve sempre mais no espírito do que na matéria. Esta é a sua maior glória, e bem pode acontecer que ela o convoque, de novo, a completar o que foi a missão revelada numa longínqua alvorada, naquele raiar de sangue e sacrifício com que despontou em Ourique.9 Desta vez, não com o propósito de lutar contra cinco reis mouros, porque o inimigo não é rei nem mouro. Que é, então? --- É a escória da espécie humana, porque só uma pífia ralé se ocupa a sacar proveito dos instintos selvagens de uns quantos, dispostos por índole, a semear morte e destruição.
São esses o inimigo a ter em conta. Identificado e pesado o perigo, o resto acontecerá por si mesmo. Onde não é de talhar à espada, doutrine-se com a palavra. Para converter? --- Sim, para converter, mas sobretudo para confirmar na Fé os que crêem no homem integral, regressado ao serviço de Deus!
 
Joaquim Maria Cymbron
 
___________________________________________________
1.     Io. 15, 13.
2.     I Cor. 13, 13.
3.     Estávamos no ano de 1975. Avizinhava-se o dia 11 de Novembro, data fixada pelos traidores para deixar Angola nas garras do monstruoso conúbio, há muito estabelecido por esse mundo fora, entre o capitalismo e o socialismo.  Às portas de Luanda, efectivos militares preparam-se para um confronto bélico. Eram forças heterogéneas, num e noutro lado. Ia ferir-se a batalha do Quifangondo. Contra as FAPLA e seus apoiantes cubanos, perfila-se uma força militar superiormente comandada, constituída só por Portugueses, poucos em número, mas muitíssimo bem treinados e senhores de um alto grau de combatividade. No terreno, junto com esses Comandos Especiais, também se moviam tropas da FNLA e uma coluna sul-africana, a qual, inesperadamente, abandona o campo quando já se travava combate. Na sua retirada, deixam sem culatras as peças de artilharia, que deveriam proceder a um fogo de barragem, tornando-as tão inofensivas como se fossem gigantescos brinquedos de plástico. Se até ali, a vitória, por mais que sorrisse às expectativas dos que fechavam o cerco a Luanda, era incerta, como o é até ao final de qualquer pugna em todos os palcos da vida, a partir deste momento ficou escrito o triste destino de Angola. Muito mais tarde, em Lisboa, o valoroso comandante da força portuguesa, o mítico C.el Cmd. Gilberto Santos e Castro contou-me que o comandante sul-africano, ainda no TO, sem descravar os olhos do chão, só repetia que eram ordens de Pretória. Quem as deu? ---É sabido que Henry Kissinger havia passado em Pretória e deixara estampado o seu selo. Um selo, atenção, que não traz os versículos do Corão. Não descuremos isto se queremos acertar com a raiz do mal que tanto pavor vem causando.
4.      A República, Liv. V.
5.      Perfil do Marquês de Pombal, 7.ª ed.., Porto Editora L.da, p. 282.
6.     É óbvio que o dogma católico não é produto da Razão. Se o fosse, teríamos um conjunto descaracterizado e inseguro. Com efeito, tot sententiae quot homines. Resulta difícil e arriscado levantar um edifício por um grupo de arquitectos, em que cada um quer ver realizado o seu projecto. Mas só a inconsciência de uns ou a ignorância de outros ou, ainda, a malícia dos restantes podem negar coerência ao dogma católico. O dogma católico é, pois, uma realidade suprarracional, mas que não é antirracional. Por aqui se vê que Fé e Razão não se confundem, mas também não brigam entre si. De resto, só a inconsciência ou a ignorância ou a malícia, que acima se invocaram, podem, mais uma vez, contraditar isto. Nunca a Razão foi estigmatizada por Roma. «Verum etsi fides sit supra rationem (...) nulla tamen umquam inter fidem et rationem uera dissensio esse potest: cum idem Deus, qui mysteria reuelat et fidem infundit, animo humano rationis lumen indiderit, Deus autem negare se ipsum non possit, nec uerum uero tamquam contradicere. (…)» (D. cânone 1797). O negrito, nesta transcrição, foi inserido com o objectivo de chamar a atenção para as palavras mais decisivas. Ainda uma nota, a reforçar o que aqui se sustentou --- este cânone foi decretado no decorrer do 1.º Concílio do Vaticano, o qual, a par do de Trento, devem constituir os dois concílios mais dogmáticos de toda a história da Igreja Católica.
7.     Discurso sobre la dictadura. Também o nosso Oliveira Martins lhe chamou «César do racionalismo francês e a revolução personalizada.» (Portugal Contemporâneo, Liv. terceiro, cap. I, 3).
8.     Para os que professamos a religião católica, só há duas autoridades de direito divino: uma é a do Papa (e também a dos Bispos), a qual é de direito divino positivo (D 1823, 1825, e 1831, referentes ao Sumo Pontífice; e ib., 1821 e 1828, respeitante aos Bispos); e a outra é a dos pais de família sobre a prole gerada, e que é de direito divino natural. Tudo que gire fora deste eixo, é doutrina do protestantismo e de outras confissões religiosas. É verdade que S. Paulo ensina que todo o poder temporal vem de Deus (Rom. 13, 1). Mas a sua específica configuração, isso incumbe aos homens desenhá-la.
9.     Quando se ouve Ourique, é difícil não associar a uma difusa crença popular na aparição de Jesus Cristo, prometendo a vitória a D. Afonso Henriques. Se o Redentor se mostrou ao Rei, ou esta versão é mais um conto como tantos outros, o certo é que esta interrogação constituiu uma uexata quaestio, como era de esperar de um evento tão fortemente ligado à fundação da nacionalidade, para mais da natureza que é. Foi até ocasião de uma carta, firme e respeitosa, dirigida ao Patriarca de Lisboa  por Alexandre Herculano (Eu e o Clero, Junho, 1850), à qual se seguiu uma candente polémica, mas sempre polida e elevada nos termos e na substância, e que opôs o grande historiador, adversário do que ele chama fábula, aos redactores do jornal miguelista A Nação (Considerações Pacíficas, Julho, 1850; e Solemnia Verba, Outubro, 1850 e Novembro, 1850). Com efeito, o que corre não pode afirmar-se mais do que lenda, que falta à História comprovar. Mas que as lendas têm o seu peso na memória colectiva dos povos, isso é insofismável. Por isso, separando sempre o lendário e o histórico, Ourique bem pode manter-se como marco do Crisma que sagrou Portugal.
 

JMC

Sem comentários: