quinta-feira, 2 de setembro de 2021

RIP

 



De novo, este blogue veste luto.
Por notícia chegada de Espanha, S.A.R. Dom Sixto Enrique de Borbón, comunica o falecimento de sua irmã Cecília de Borbón Parma e pede orações pelo seu eterno descanso.
Mais uma vez, este blogue pelo facto de existir como defensor das Legitimidades, não pode deixar de se juntar ao pesar daquele Príncipe que, em Espanha, levanta a bandeira da Tradição!
Que Deus guarde e conforte Sua Alteza Real!

P.N.; A.M.;G.P.!

sábado, 19 de junho de 2021

VENTURA OU DESVENTURA?

O texto, que segue, em razão daquilo que escrevo, é dos mais curtos, quando não mesmo o mais curto dos que, até à data, publiquei. O assunto requeria que se escrevesse mais. Mas a pequenez da nossa política não permite encher folhas. É o que há!


Pobre povo português! É depositário de inegáveis virtudes, mas também carrega defeitos, que nada o enobrecem: só lhe empecem o passo livre em direcção ao triunfo, de que é capaz, se for bem governado Enfim, assim como acontece a todo o ser humano individualmente considerado, também sucede quando o quadro é gregário: há bom e há mau, cabendo à razão a escolha entre a decisão salvadora ou o precipício!

Não conheço perfil psicológico mais ajustado ao carácter do povo a que pertenço e que não renego, do que aquele que foi traçado em certeiras palavras de Guerra Junqueiro. Enchem umas poucas de páginas do final do seu livro Pátria e levam por título Balanço Patriótico. A prosa do autor dispensa encómios; a linguagem é percuciente, moldando-se bem à sua maneira de ser; mas a nota que deixa não é pessimista.

Viviam-se os últimos anos de uma monarquia suspeita: o desnorte era total! Nem a pessoa do monarca reinante escapou à virulência do discurso. Mas insisto: esse ataque, quase um assalto à praça detestada, foi um ataque ao que todos sofriam e que apenas alguns, bem poucos por sinal, viam claramente que era uma investida justa e desenvolvida com apoio numa aguda e penetrante análise. A pena prodigiosa do poeta de Os Simples, servida por um talento fabuloso, fez o resto. Bom seria que fosse lido o texto, a que aludo. Encaixa a primor no tempo que vivemos.

Entretanto, há uma força política que desponta no turvo panorama político nacional e que vem acirrar a velhíssima dicotomia esquerda – direita. A rotina colocou essa divisão numa linha, que não é senão um percurso de desordem, onde o homem, que integra a pólis, num desejo cego de conflituosidade, marca teimosamente um antagonismo a separar os dois referidos pontos. A verdade nua e crua é que se trata de uma luta entre dois contendores animados de uma fúria recíproca, mas no fundo insensata, porque aquilo que os opõe é mero pormenor de execução numa tarefa que nada tem de elevado e que praticamente se dirige ao mesmo fim. Distinguem-se porque, à esquerda, vê-se uma classe economicamente dominante ocupando o espaço da força que governa, enquanto que, à direita, essa interpenetração não se verifica.  Daí a maior vulnerabilidade dos regimes conhecidos por serem de direita, em relação aos que formam à esquerda. De resto, uns e outros situam-se fora do que impõe a ordem tradicional.

A hoste, que vem  ocupando casas no tabuleiro do xadrez político português, marcha nitidamente a par da clássica direita. O mestre que move as suas peças, com uma astúcia e uma determinação rara no nosso meio, decidiu estreitar laços com uma força que traz o selo do poderio sionista. Depois disto, nada tem a recear no campo dos êxitos imediatos. Abre-se-lhe, pois, uma estrada limpa de obstáculos muito incómodos. Ganhou, acima de qualquer dúvida, um trunfo de inestimável valor, se quiser prosseguir na sua carreira de político; porém, matou inilidivelmente a esperança de não poucos que nele viam o homem de Estado, capaz de tomar nas mãos o leme da desgraçada barca portuguesa que voga, sem rumo, neste mar de ondas alterosas que todos nós conhecemos. Vislumbravam nele uma aurora de redenção, bastante levianamente, é certo, mas na qual, de todos os modos, acreditavam. Na realidade, a minha intuição, provada há longo tempo, diz que não é ele o governante providencial. Aliado a isto, aparecem pormenores que definem a sua verdadeira natureza como homem e, consequentemente, o seu recorte político.

Além da aproximação ao Likud, e do arrimo encontrado em terras gaulesas e transalpinas, ei-lo que já imitou o tique de saudar com a mão sobre o coração: os conventículos maçónicos seguramente apreciarão o gesto! Portanto, é inegável que o chefe deste partido mostra, em poucos rasgos, conquanto de forma bem nítida, o seu pendor de homem de direita, de uma direita que é burguesa dos pés à cabeça. O passado confirma-o! E se é verdade que importa mais o presente que o passado, não haverá erro em sustentar que um presente na linha do passado é penhor de um futuro de continuidade. Neste actor político, o tempo presente não desmente aquele que já passou. Portanto, quanto ao futuro, é compreensível a inquietação de quem está atento ao trajecto desenhado por este homem público.

Todavia, nada disto, por um capricho que mais parece ironia, o põe a coberto do que sobre ele insinuam.  E assim é que a menoridade política do povo não desiste de lhe colar o labéu de nazi: há muita gente que abunda nestas teses. Entre nós, são aos montes os que pisam estas veredas. A tacanhez de vistas tem a dimensão das epidemias próximas de uma quase imbecilidade, mais ou menos extensa. Mesmo assim, persiste-se na mesma falta. Não resta dúvida de que a faculdade de pensar anda muito afastada de qualquer multidão: a massa humana não raciocina; como os brutos, só tem aptidão para um reagir condicionado.

Depois do que se expõe, cabe perguntar: é com um centurião desta ordem que se pretende restaurar os valores pátrios; será com lanças, algumas delas enferrujadas e, sobretudo, mal guiadas, que se vai riscar um futuro ridente? Uma resposta afirmativa apenas pode vir de quem perdeu, por completo, o sentido do equilíbrio ou quer tripudiar com o exacto significado das palavras.

Tudo isto, que é obscuro, permite uma observação, e essa é cristalina:

A extrema-direita, no meio de muitos desvios ao que é recto, tem ao menos o mérito de, por regra, não se perder nas tortuosas veredas que esta turbamulta calcorreia. O que há de sensato neste comportamento é de tanta magnitude que, numa altura decisiva da sua história, ao esquecer o que de mais profundo se podia ler na sua autêntica essência, pagou muito caro o passo que deu. Basta recordar o momento em que Hitler confia em Von Papen – «No Olimpo, Maquiavel sorria...».1

A repulsa por esta assimilação da direita (uma direita a que o vulgo chama extrema-direita), ao que não passa de um projecto de força política enfeitada com títulos que não lhe pertencem, uma tamanha repulsa, frise-se de novo, assenta numa realidade que emana da clara percepção da distância que marca a diferença entre a praxis da extrema-direita e o ideário tradicionalista. Por outro lado e quanto à direita burguesa, nem necessário se torna estabelecer qualquer distinção, porque é uma corrente que sufoca debaixo de alguns dos vícios, que partilha com a extrema-direita, não sendo capaz de exibir para amostra uma única das suas virtudes, uma só que seja.

Assim se vê que a construção política, defendida pela doutrina contrarrevolucionária e de que se fazem eco as páginas do Movimento Legitimista Português, não se pode firmar nos caboucos abertos de sistemas que buscam no sufrágio universal a nota de legitimação do poder que alcançam. Este repúdio não tem que ver com fúteis e pueris caprichos: ele flui, isso sim, de reflexões continuadas no decurso de aturados estudos, que se vêm estendendo ao longo de inumeráveis anos.

E, depois de todo este esforço, não é difícil denunciar como crime de difamação, senão mesmo de feia calúnia, o facto praticado a título de dolo necessário na campanha que se urdiu para equiparar a direita burguesa à extrema-direita. Essa afinidade não existe. O denominador comum que as une, se é que o erro pode ser elemento de ligação, está em que ambas são heterodoxas.  Deixemos, pois, que briguem à vontade. E ocupemo-nos do combate que nos diz respeito.

Essa missão impõe que não se poupem juízos de censura a tudo que pareça desvio à tradição política de Portugal. E, assim, porque nem direita nem extrema-direita encaixam no passado histórico da nossa Pátria, devemos pôr de lado uma e outra, indiferentes aos diversos matizes que apresentam: a tela é sempre a mesma; só as cores variam! Se a direita clássica se perde no enganador preconceito da divisão dos poderes e se atola no lodaçal do mais solto capitalismo, a extrema-direita não conseguiu, até à data, levantar um sistema com o poder suficiente para travar os destemperos daquela e preencher idoneamente as suas lastimosas lacunas.

De forma sucinta, dir-se-á: se a direita histórica vai, paulatinamente, cavando a sua própria destruição, a caminho de um colectivismo, que revela na vertente moral o lado mais terrífico, a extrema-direita teve o insofismável mérito de sucumbir em combate. Ninguém há que possa roubar-lhe este título de honra e glória!

Com efeito, nas suas experiências, a extrema-direita deixou um rasto de derrotas atrás dela. Temos por certo que concitou o ódio de forças tenebrosas. Mas não é lá porque se ganhou ou perdeu que se mede o grau de bondade de qualquer empresa humana. No entanto, o desfecho negativo de uma pugna autoriza frequentemente a que se extraiam conclusões sobre o mérito e a real valia de vencedor e vencido. Convém, pois, lembrar quem foi o inimigo e, embora não surpreenda, choca ver que é precisamente com essas colunas de um expansionismo acentuado que a emergente direita portuguesa vai firmar uma aliança!

Pode, quem quiser, abrir a boca de espanto. Isso apenas demonstrará, a sua deficiente formação nesta matéria. Não que, com isto, haja o propósito de classificar essa gente como desprovida de carácter; há, isso sim, uma falta de formação política que apavora.

A fechar: o Movimento Legitimista Português professa a sua esperança no ressurgir de Portugal. Contudo, para isso, faz-se mister o regresso à matriz nacional!

Joaquim Maria Cymbron

____________________________________________________________

  1. Rolão Preto – A Traição Burguesa, cap. V.

JMC

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

HONRA AO HERÓI

 



Mais uma vez este blogue veste luto.Com efeito,foi Deus servido chamar a Si mais um  indómito combatente do Ultramar, filho legítimo de uma Guiné que não morre na saudade de quem por  lá passou.

 

Alguém lhe chamou o último cruzado do Império. Não me parece exagero. E, por mal dos nossos pecados, é bem capaz de ser merecida a homenagem contida naquelas palavras. Não propriamente porque esteja desfeito o Império, nem porque morreu o seu último cruzado, mas porque andam ocultas as virtudes da gente que o ergueu. Ora um império toca o fim, quando no seu povo se desiste de viver o sentido de uma vocação histórica.

Com efeito, a história pátria foi uma sucessão de cruzados imperiais – quando a morte ceifava um, logo outro surgia ocupando o lugar que passava a estar vago. Essa cadeia quebrou!

Na realidade, que temos, hoje, esfumadas as glórias de um império de generosa dádiva ao próximo e carregado de um sacrifício perseverante? – Por desventura nossa, como deixei dito e só não vê quem não quer, já não brilha esse império digno de ser vivido. Apagado esse fulgor, debaixo de um céu pejado de nuvens formando um quadro que é prenúncio do mais desesperado futuro, coube-nos o triste fado de uma soberania miserável trazida nas asas mortais da mediocridade.

A mediocridade é a árvore da desolação. Dos ramos, que estende, só pendem frutos peçonhentos. Na escala de valores, a mediocridade leva nota que a situa no patamar mais nefasto: é impotente para agir com um mínimo de bem aceitável; e só não é demasiado presumida para se confessar um depósito de nulidades, porque ainda tem noção de que a nulidade não existe. Este é muito possivelmente o seu único mérito. Em suma: não chega a subir, por notória incapacidade; e mostra escrúpulos em descer, por falta de humildade. Padece, pois, de um vício de identidade que a torna obnóxia. Salta à vista que este vício não tolera correcção!

Marcelino da Mata foi mais um mártir às mãos dos medíocres. Acho que isso conduz apenas a um resultado: distingue-o do comum das gentes, com especial relevo para os seus perseguidores. Sobre um peito constelado de veneras, continuam a vomitar ódio! Do ódio, dizia o grande Camilo que esse sentimento, no coração dos fracos, «é inextinguível; é a única força, a energia tenebrosa, que lhes deu a natureza.»  

Numa festa campestre de há muitos anos, sucedeu que Marcelino da Mata se encontrava ali presente. O evento foi muito concorrido. Em determinado momento, o bravo militar foi procurado por outro convidado. Era o pai de um dos carrascos que o torturaram ignobilmente após o 11 de Março, o qual fez questão de saudar o nosso Herói. Eu estava por perto e ouvi Marcelino da Mata, que o acolhera com a cortês simplicidade que era seu timbre, dizer àquele pai que havia muito já perdoara o mal que sofrera.

Perdoar é divino. E é no perdão que o homem mais se aproxima do Criador. Também nesta virtude é grande, verdadeiramente desmesurada a distância que corre entre Marcelino da Mata e os seus detractores.   

Não se abrem as portas do Panteão Nacional para receber os seus restos mortais? Por mim, direi que não vejo nisso qualquer tragédia. E acrescento que se fora o representante legal do Herói, certo e sabido que o seu corpo ali não entraria sem que, antes, de lá saíssem uns quantos. Alguma vez se pode conceber que o último cruzado do Império – na luminosa imagem que transpus de fonte alheia – descanse ao lado de quem foi encarnação do modelo invertido de uma vida impoluta, ao serviço de uma Pátria que esses traíram?

E, afinal, isso que monta? – As portas, que não se lhe cerraram, são as do Céu. Este há-de ser o estado de espírito da consciência católica do povo de Portugal e de todo o homem de boa vontade, fundada essa esperança na convicção profunda de que Deus, na Sua infinita misericórdia, paga generosamente àqueles que tantas provas de intenso amor deram à Pátria terrestre!

 P.N.; A.M.; G.P.!

Joaquim Maria Cymbron

domingo, 7 de fevereiro de 2021

QUE ESPERAIS, SOLDADOS DE PORTUGAL?

 Soldados de Portugal! A pergunta é claramente feita a todos vós.

Com efeito, de que estais à espera?

Venho falar-vos em tom frontal e que nada tem de macio, como é próprio do meu carácter, temperado nas lutas do Ultramar. Um jeito que me acompanha desde o berço e que creio nunca haver desmentido ao longo de uma vida que já soma 75 anos. Tom este que vos é devido, porque assim o exige a vossa estatura, uma estatura firmada na dignidade de quem empunha armas. E, principalmente, sem nunca esquecer aquele dia radioso, dia entre muitos abençoado por Deus, no qual cada militar teve a subida honra de beijar o estandarte nacional, e proferir juramento solene de defesa da Pátria, enquanto no peito lhe restasse um sopro de vida.

Sei que o juramento de qualquer de vós saiu puro e límpido, como o foi o de cada um de nós, que vos precedemos e ficámos marcados pelo timbre de honra próprio de quem ostentou ou ostenta, até à morte, o sublime título de Soldado de Portugal. E por isso é que senti a obrigação indeclinável de vos endereçar as palavras, que seguem, com a confiança ajustada àqueles que, sem discriminação de patentes ou de postos, passámos por casernas ou cobertas de navios.

Armada! Exército! Força Aérea! Em todos estes ramos, estais vós, Soldados de Portugal, e nenhum há de quem não me considere camarada de armas. Estou persuadido que será recíproco o sentimento – o tempo nem sempre afasta; também pode unir!

É certo que corre, entre nós, uma larga diferença de geração. Acabo de dar a entendê-lo. É a única? – Hesito em afirmá-lo, porque não me repugna conceder que vos avantajais em virtudes militares. Já por aqui, é Portugal quem ganha!

Ficai cientes de uma coisa. Do que é meu propósito escrever, nada lereis que se desvie do que respeita ao objectivo de alcançar o bem comum para a nossa Pátria. Por isso, vos confessarei:

Nunca tive em grande conceito a política que vigora em Portugal. Para ser mais autêntico: sempre a olhei com horror. Porém, no grau de desalinho, a que chegámos, atingi o ponto de desprezar, como nunca, a forma; o sistema; e o regime instituído. Conheço apenas Portugueses. Esses perfilam-se em primeiro lugar e são eles que têm prioridade no serviço que é imperativo moral prestar-lhes. O mais – partidos; Constituição; sonoros princípios vertidos em Declarações  salpicadas de um colorido mais ou menos forte – de uma ponta à outra, tudo isso são abstracções!

Com a franqueza e lealdade, que procuro pôr em todo o meu proceder, sustento que já é tempo suficiente de esquecer felonias e deslealdades perpetradas no passado. Doravante, é altura de congraçar a família portuguesa e dedicar-lhe todos os nossos cuidados. Não sei de outro caminho digno de trilhar, se queremos, como é certo que ambicionamos, a salvação de Portugal e do seu martirizado povo!

A desgraça política pode abater-se de dois modos sobre uma comunidade humana: uma das vias é a tirania; a outra é a do vazio de poder, num grau em que periga a paz pública. Terrível ameaça pesa sobre a nossa Pátria. Só não a pressente quem está adormecido, e sonha com dourados horizontes que não virão. Qual destas duas calamidades é a que se ajusta à hora que Portugal vive?

No íntimo, não hesito em inclinar-me para o que segreda a minha consciência, já bastante familiarizada com estes fenómenos: abrem-se as portas de um estado caótico! Contudo, ao nosso futuro pouco importa o sentido em que vai resolver-se o que ainda é, por ora, uma incógnita – tirania ou anarquia. Na verdade, tanto faz, porque qualquer dos defechos será uma tragédia.

Assistimos a um temível aviso. À míngua de uma capacidade governativa lúcida e edificante, por conta de um perigo público – talvez imaginário – solta-se uma actividade legiferante, extensa e confusa, o que constitui o pior dos males para quem dirige os destinos de uma nação, porque é a revelação tácita de um estado próximo à impotência de actuar.

No caso presente, pouco interessa que a crise sentida seja ou não exclusiva da nossa querida Pátria. Somos Portugueses e estamos em Portugal. Isto é o suficiente para que os nossos cuidados se virem predominantemente em direcção ao caso nacional. E isto, separado de quanto vai por esse mundo além, requer só por si muito esforço para a sua resolução.

Nestes momentos, quando uma pandemia, real ou fantástica, toma conta da paz de espírito de um povo, indagar por onde é que o veneno entrou, um autêntico veneno, este sim, que vai destruindo fibra a fibra uma sociedade inteira, não parece curial buscar onde está a culpa do presente. Estará no 25 de Abril? Não é causa de tudo, porque ele próprio foi efeito de muitos desvios a uma recta governação! Terá sido o Gonçalvismo? Este delírio foi corolário de princípios que se espalharam, sem tom nem som, pelas trombetas tocadas na madrugada dos cravos, mas esse louco período já morreu, embora soltando, à sua passagem, fortes sequelas dos vícios que transportava! Cabe, enfim, a responsabilidade aos já numerosos governos constitucionais, que se sucedem num interminável processo de acusações preferentemente apontadas ao executivo acabado de derrubar? Não tem de espantar – insere-se dentro de um estilo viciado que faz da política um jogo de bola cá-toma lá, praxis que constitui a quinta-essência dos chamados Estados de Direito Democráticos, transformando-se naquilo para que a sua génese os impele – uma pugna insana de tricas partidárias!

A reacção à pandemia parece desmentir o invocado vazio de poder. Anda muito tolo iludido com este cortejo de anúncios emitidos por órgãos que são ou levianos ou criminosos.  À volta disto, descanse quem quiser – embora faça mal porque dali não sai mais do que fumo e poeira. Aguardemos que o fumo se evole e a poeira assente, e logo veremos em que acaba a tão festejada resposta.

A ser correcta a análise, dos que sustentam que há cada vez maior prepotência por parte de quem manda, teríamos que este quadro, dentro e fora de fronteiras, logo descobriria a estratégia de que tudo se prepara para a construção de um único governo à escala mundial. Objectivo que ainda tardará, mas que indubitavelmente já fulge, há muito, nos horizontes de esperança das correntes mais revolucionárias.

Estranha-se é que não se extraia o que será talvez a mais valiosa lição da apregoada pandemia. Realmente, enquanto ela dura e perdura, não consta que alguém, de bom senso, se tenha atrevido em buscar refúgio noutro ponto da Terra. E custará a crer que tal venha a suceder, porque a alegada situação de catástrofe é de risco em todos os quadrantes. Do mesmo modo, será a situação política sob um só governo para todo o género humano: qualquer homem insatisfeito com a sua sorte no lugar em que vive, nada ganhará mudando de sítio. Ainda que o autorizem, continua a sujeitar-se a idêntico regime, se não for mesmo uma cópia fiel daquele ao qual procura escapar.

Ora isto também nos toca. São duas, pois, as ameaças que pairam sobre  Portugal: o projecto do governo mundial, que tal como se desenha não deixará de ser tirânico; e o já aludido risco de se cair no vazio de poder. Quanto a mim, Soldados de Portugal, o perigo mais próximo vem do último lado. Com efeito, antes de fugir ao amontoado mais disforme, deve Portugal salvar da sua mutilada soberania nacional, aquilo que ainda for possível restaurar. Depois, cuidaremos do resto.

Entretanto, não me vereis debruçado sobre cada um dos filhos espúrios de um embuste que é brutal e quase sacrílego, porque nesta impostura ferve uma união desnaturada que escarnece de preceitos sagrados. O futuro se encarregará de revelar a autêntica face da pandemia, e mais uma vez lembrar às pessoas uma lição sábia e tão velha quanto o homem: a voz dos poderes públicos nem sempre é eco da Verdade! E por Verdade entenda-se que não é só verdade injuntiva a que deriva de uma lei humana, como também e, maxime, a que nos vem de leis acima do ius quod in ciuitate positum est. Esta traição, ao que é verdadeiro, verifica-se em especial quando os poderes públicos são aqueles que temos pela frente. Estes poderes, adulterados na sua génese e na causa final, destapam agora as suas chagas e já não conseguem esconder que se esboroam pouco a pouco. Tiveram o desplante de gritar aos quatro ventos que tinham alcançado êxito no combate à COVID-19 – foi o estertor do moribundo, e trouxe à memória os últimos dias do Estado Novo. É um brilharete montado às três pancadas num pingarelho palco de feira, que abana por todos os cantos, anunciando inequivocamente final de acto que não é de comédia, porque trágicos vêm sendo os resultados.

Já se viu que foi sol de pouca dura, se é que, de facto, rompeu as nuvens. Nem a vitória lhes interessava. Depressa lançaram mãos à cabeça, e deram o dito por não dito. Com verdade, desta vez? – Vá-se lá saber! Se de uma ponta à outra, tudo isto não é contrafacção, será porque 2 e 2 já não somam 4.

Não viverá muito aquele que não for testemunha de como esta manobra preordenada se reconduz a uma estratégia de desastre moral e ruína material.

Os mercados de capitais – barómetros crónicos da saúde que transpiram as economias de todo o planeta – depressa hão-de reflectir a chegada de uma travessia do deserto bem custosa de cobrir. Por outro lado, assiste-se a uma impressionante vulgarização de caracteres. Sintoma este inquietante porque, além de ser de muito mais difícil cura, é talvez o principal motivo da decadência que atirou com muitos para o lânguido torpor de uma modorra. Desta modorra não se despertará sem gravosas penas no trajecto a percorrer, ao que se terá de juntar uma profunda e sincera conversão individual, sendo esta a exigência de mais dificultosa observância. Contudo, todos sabemos que Portugal já emergiu de outros períodos de agudíssima prostração moral, e fê-lo em beleza. É esta certeza que deve manter intacta a nossa fé num porvir de renovados triunfos!

Com este discorrer, voltamos à iminência de um vazio de poder, ou seja, de um estado anárquico que é a mais pavorosa das tiranias em que pode tombar a sociedade. Este risco permite que se actue sem o escrúpulo de levar em apreço a eventual bondade do poder que vai desaparecendo, a qual bastaria para lhe conferir a requerida legitimidade e retirar licitude a qualquer movimento insurreccional. Ao dizer que o risco, ora vivido, consente que se avance, fiquei aquém do que era minha obrigação deixar exarado. Esta a razão pela qual corrijo a falta declarando que, perante a proximidade de um poder que se está sumindo, há não só o direito como recai ainda, sobre todos quantos prezamos Portugal, o dever de agir sem tardança. E selo as minhas palavras apoiado no que dispõe a lei humana e, acima dela, a lei natural!

Que modelo se propõe?

Uma vez que se dá um vazio de poder, em são rigor de Justiça, torna-se obrigatório devolver ao povo a titularidade da soberania como causa material que dela é. Mais até do que um seco imperativo de Justiça, o processo flui ex rerum natura. E assim congregado nos seus organismos naturais, o sujeito político que responderá a esta pergunta será, portanto, o povo português. Família; autarquias geográficas; corporações da inteligência, das artes e do trabalho; enfim, todos aqueles micro-universos, onde é incontroverso que se sente palpitar a vida nacional, serão chamados a pronunciar-se sobre o destino a seguir. Por estas vias, se ouvirá a voz de tudo que é vivo e está abertamente definido, sem nada de simulado ou de diferentes artifícios metidos pelo meio!

Como remate deste apelo, acrescentarei: atravessamos tempos de indefinição; no ar, respira-se um clima de angústia.

Quem é culpado deste panorama desolador? – A bem dizer, quase todos: uns, tentando recuperar algum equilíbrio que, porventura houvessem tido, lá vão imperando com uma já minguada força; os restantes porque, cada vez mais submissos e vergonhosamente dóceis ao mando acabado de denunciar, consentem no desaforo presente.

Fala-se em mais uma medida restritiva de direitos básicos e das mais sãs liberdades que nenhum poder político tem autoridade para condicionar: ou o que se ordena é bom, ou não há maioria que possua legitimidade para o impor. Porém, para quem não perdeu ainda o sentido das proporções, o rochedo, que ameaça tombar sobre as nossas cabeças, mais parece um seixo que a penha temida.

De uma forma mais comezinha, o alarde feito confunde-se com as vascas da agonia de quem teima em exibir uma força já inexistente. No entanto, é ponto líquido que atemoriza o comum das gentes num grau que não anda longe de uma psicose colectiva. Tanto basta para que estejamos atentos e de prevenção.

Na soberania, convém distinguir entre a prepotência do tirano e o governo que gera uma situação  bem próxima da anomia generalizada. Pegue-se-lhe por onde se queira: o certo é que, num e noutro caso, a revolta ganha justificação.

A hora, que passa, exige: recolhimento; reflexão; e, por fim, actuar em conformidade.

A vossa acção, Soldados de Portugal, preencherá a parte de menos extensa duração na regeneração da Pátria. Mas constitui, certamente, a mais nobre, a mais elevada e, direi mesmo, a mais decisiva contribuição da obra necessária, na linha do que já é apanágio na vossa tradição de servir sacrificadamente, um longo sofrer onde se misturam incontáveis glórias. Só convosco, nem tudo fica feito; mas, sem vós, nada se faz. Como quase sempre aconteceu e se espera agora que volte a suceder uma vez mais, tendes pois a missão de imprimir forma e dar  rosto visível ao corpo social. Do mais, se encarregará a dinâmica da vida com os olhos postos na meta ideal. Essa meta é o cofre precioso que está guardado no seio impoluto da Pátria estremecida.

A mim, camaradas de armas – que assim vos chamei no início do brado de socorro aqui formulado e desse modo não deixei de vos tratar ao longo do que proclamei, porque é como o sinto – a mim, insisto, só me resta ser admitido a partilhar convosco a apetecida honra de engrossar a hoste salvadora da grei portuguesa!

VIVA PORTUGAL!

 Joaquim Maria Cymbron

sábado, 25 de abril de 2020

DESPEDIDA A UMA MULHER


                            Sinto que falta cumprir
                            missão onde Deus me chama!

                            Não te aflijas, minha querida:
                            sossega, e pede que eu volte
                            de braço dado à vitória!

                            Deixa de lado as palavras:
                            reza apenas, com fervor,
                            o que na alma te vai,
                            e se em teu rezar há lágrimas,
                            verás luzir o milagre!

Joaquim Maria

quinta-feira, 9 de abril de 2020

GERAÇÃO PERDIDA


Este texto será duro e cru. Que seja duro, está nos meus hábitos quando é preciso fazê-lo; porém, a especial crueza, de que se revestirá, constitui novidade.
No entanto, não vejo como fugir-lhe. O aviso cá estáas sensibilidades mais delicadas não poderão queixar-se se as firo. Ninguém é forçado a ler-me!
No meu íntimo, experimento a convicção de que não serei atingido pela pandemia que angustia  a Humanidade.1 Não pergunteis em que me firmo para confissão tão arrojada, porque francamente não sei que dizer-vos fora disto – falta explicação racional a dar; repousa apenas sobre um fortíssimo sentimento!
Que Deus me poupe se isto é presunção! Mas, de modo idêntico ao que em mim prevejo, também estou crente que será debelado o mal que nos aflige. Será essa vitória suficiente para a salvação do Mundo? – Sou obrigado a responder com um não categórico!


À posição, aqui tomada, de não chegar a neutralização de um inimigo – autêntica ameaça universal – a fim de que haja Paz2 sobre a Terra, cabe justificá-la para o que, primeiro, se faz mister esclarecer os fundamentos do que foi dito.

Não chega, porquê? – A razão é muito simples! Mas como tudo que é simples, por vezes torna-se bem difícil de entender. O que se apresenta como simples, é quase sempre bastante exigente, e é isso que assusta as pessoas que preferem seguir adiante, passando ao lado de uma coisa incómoda para a qual nem sequer desejam olhar.

Encaremos o problema de frente, porque de nada nos servirá se tentamos rodeá-lo. Quando muito isso leva apenas a um adiar da solução, sem desfecho à vista e de funestas consequências para quem cair nesse erro.

O pesado ar,  que se respira, não é produto de um organismo que, por aí, gira. De facto, a crise não flui de um agente físico porque, antes que este aparecesse em cena, já era crise moral e, nessa qualidade, é causa deste efeito apavorante. Aceitemos a realidade insofismável de que o vírus terrífico não é biológico: antes disso ele é um veneno chocado no peito humano, muito mais devastador que qualquer dano físico, porque é o espírito que deve ditar a lei à matéria e não o inverso. A nossa carne rebelou-se contra o espírito que acompanha cada um de nós: a concupiscência desordenada pretendeu dominar a razão e conseguiu-o. Hoje, o homem arrasta só o corpo, porque a alma, essa, deixou-a esquecida e sofredora, nem ele sabe onde. Tudo isto se paga por um alto preço.

Sumiu-se o salutar costume de falar em pecado social. Nem admira! Pois se até se ignora – ou se nega mesmo – o que seja o pecado pessoal, como pode alguém entender o pecado social? Entretanto, ele existe: é a soma dos pecados de cada criatura humana, porque nenhum de nós está limpo de faltas. Dez justos teriam bastado para salvar Sodoma, mas nem esses foram encontrados.3

O mal que nos atormenta é, pois, o açoite de Deus à criatura que, inchada na sua desmedida soberba, mais uma vez julga ser possível ombrear com o Criador ou até varrer o Seu bendito nome da face da Terra. Agora, é um agente microscópico, que tanto bastou para pôr em sentido o Mundo; de outras vezes, tem sido por diferentes meios. Contudo, todos eles são meras causas instrumentais ao sabor do que Deus determina que aconteça.

Num labor de séculos, acumularam-se teses deletérias que vieram produzir resultados nefastos – as sociedades actuais estão enfermas, porque fraquejaram e se deixaram dessacralizar. É indiscutivelmente o caso de algumas; outras tocaram o limite da apostasia! E para estas últimas é que se interpõe uma questão pertinente: quando não existe fé, como reagem na sua incredulidade sobrenatural? – O certo é que nem assim se libertam da obrigação de parar e reflectir.

Na verdade, o Mundo carece de reflectir. A meditação é uma das maiores urgências que o homem moderno enfrenta, e a que tem de responder, sob pena de atraiçoar a sua condição de ser racional: sendo desde sempre uma tarefa nobre, é hoje incontroverso que o pensamento entrou em agonia! Em todo o caso, ele ainda não desapareceu. Portanto, à conta disso, fixe-se a atenção nesta pergunta – será assim tão difícil conceder que, se não podem ou não querem avançar pela via de uma fé que não professam, já não lhes é vedado conhecer a Natureza, realidade incontestada pelos mais comuns sentidos que o homem possui?

Nenhuma repugnância experimentará aquele que crê, se tivesse de percorrer este caminho. Quando nele tropeçasse, restar-lhe-ia o socorro imediato da fé. Insista-se, pois, que esse há-de estar aqui livre de toda a ansiedade, porque só é de esperar que olhará a Natureza como obra de Deus, na qual o Criador imprimiu as notas essenciais que a definem. Logo, quem a viola, atenta contra a Divina Majestade. Registe-se uma particularidade: ao passo que Deus perdoa sempre, se o penitente dá mostras de arrependimento, a Natureza já é inexorável. De modo que só Deus a pode suspender. Bom seria, para os que perderam ou nunca tiveram o dom da fé, que se debruçassem e meditassem sobre isto!

Enquanto se espera, lancemos uma olhadela sobre este ponto:

De entre os instintos do ser humano, como mais visíveis, sobressaem a fome, a sede e o apetite sexual: comer e beber têm por função a sobrevivência de cada um de nós; o sexo é destinado à propagação da espécie. Todos eles dão prazer a quem os vive; no entanto, é o terceiro aquele que, pelo maior deleite que proporciona, ocupa lugar de mais destacado relevo.

É também o de maior e mais delicada complexidade. E, por mais inesperado que alguns possam ajuizar, está repleto de notas da mais rica espiritualidade. Apenas se requer que seja vivido segundo os preceitos de Deus ou da lei natural, entendida esta como a «participação da lei eterna na criatura racional»,4 que tudo vale o mesmo visto que uma e outra não são mais que manifestações da soberana vontade do Criador.

Esta é lição do Doutor Angélico, que permanece, e dela não se diga que invalida o entendimento observado por não-crentes. Ninguém lhes impõe que aceitem este comando como emanação da lei eterna, a qual manifestamente não professam. Ao que não conseguirão fugir será ao facto de se encontrar esta disposição gravada a fogo na natureza das coisas. Ora a rerum natura é já um código por eles aceito, sob pena de em nada acreditarem se defenderem o contrário.

A vida sexual, de entre os dons mais corpóreos, é o supremo bem que Deus nos outorgou. Talvez por isso mesmo é o mais maltratado de todos eles: o ser humano está propenso, quase invariavelmente, em estragar aquilo a que deita mão: parece dominado pelo gosto mórbido de enodoar preferentemente o que vê e avalia como mais perfeito. É um comportamento onde está patente uma inspiração satânica!

Com efeito, o homem mancha o sexo quando, pelo seu comportamento, dá impressão de ter esquecido que nessa actividade não é o único actor em cena: vive-a em comunhão de corpos, segundo o que as leis da Natureza dispõem. Esta sublime realidade coloca-o num palco, submetido à estrita obrigação interior de retribuir a dádiva de Deus. É seu dever proporcionar à mulher o que esta dele espera, numa entrega total e sem reservas, pois a generosidade desprendida não conhece o interesse próprio – neste acto,  aquilo que deriva de uma vaidade masculina sempre pronta a exibir-se. Casos em que, por força, não deixaria de ser positivo, o finis operis, mas onde, por certo, o finis operantis perderia grande parte ou mesmo a totalidade do que poderia ter informado valiosamente o mérito do seu desempenho.

Sabe perfeitamente o Demónio que o sexo é o meio de transmissão da vida e o papel relevante que esse meio é chamado a jogar na saúde moral e física da relação homem-mulher. E, porque é impotente para derrubar Deus, no ódio em que se revolve procura feri-lo no domínio da Criação, maxime na sua obra-prima que é o homem. Para alcançar esse fim, talvez o principal processo, adrede escolhido, terá sido a diminuição progressiva da capacidade sexual, acompanhada de uma indesmentida redução na sua frequência. O desfecho salta aos olhos: é um abrir portas à extinção da espécie! As correntes, que especulam à volta de esperançosas e ridentes teorias da hominização, até à data nada de categórico adiantaram que possa opor-se ao risco que isso traz em si.5

Reconheçamos que são cruciantes os danos provocados pelo Maligno. E multiplicam-se os sinais de um agravamento cada vez mais extenso e profundo. Razão esta pela qual temos de pôr de parte a ideia que corre, apontando como aviso de uma escatologia próxima a praga que nos amedronta. Isso é quase uma puerilidade, comparado ao que se passará a expor.

Uma prova de masculinidade, possivelmente a mais significativa, é a do homem capaz de coito que transporte a mulher ao empíreo. Dar é gratificante porque nos aproxima da Divindade, fonte de tudo que temos, pelo que, no sexo como no decurso das demais relações humanas, melhor é dar que receber. O amor-próprio masculino há-de ceder espaço ao impulso da generosidade, como acima já se referiu. A generosidade é uma forma que a caridade assume; e da caridade nada a acrescentar ao que o Apóstolo deixou dito.6

Homem incapaz de provocar esse clímax à que é sua companheira no acto sexual, constitui-se em forte dívida para com ela. Tal mulher é tratada como um saco, onde o seu parceiro despeja o sémen, quando não se esgota no onanismo. Isto só tem um nome: reles exercício de masturbação!

Um pródigo por tal forma desastrado, se nunca contemplou uma mulher irradiando esplendor idêntico ao que Bernini nos trouxe, quando fixou no mármore o êxtase de S.ta Teresa de Ávila, é alguém que nem sabe o que teve nos braços! Essa mulher, assim como está prestes a desfalecer, logo a seguir recobra alento para se agitar, soltando gritos de prazer que parecem arrancar do mais recôndito do seu ser.7

Regressemos ao mau amante. Este homem, se consegue a penetração, não é fisicamente impotente. Portanto, onde está o défice? – Não pode encontrar-se a não ser numa brutal carga de egoísmo. Provavelmente, discorre nestes termos: «eu já estou servido; ela, se quiser subir mais alto, que se satisfaça sozinha.» Todavia, seria curioso apurar quantas serão as jovens decepcionadas, que merecem um maior cuidado por parte dos seus chevaliers- servants. E é também nesta incerteza que a tragédia se projecta.

Entre outras possíveis causas, este ambiente  ajudará a explicar que os índices de homossexualidade – da masculina e da feminina – subam em flecha. Quando não se encontra prazer no sexo convencional, não pode surpreender que se procure saciar a lascívia em práticas antinaturais. Para os que a elas recorrem, esses desvios oferecem-lhes um gozo, que é justamente reprovado segundo os cânones mais ortodoxos, mas que, por outro lado, lhes faculta a vantagem de andar desacompanhado dos encargos de uma paternidade ou maternidade que não querem suportar. Não devem, pois, estranhar se forem qualificados como membros de uma geração maioritariamente virada para o suicídio. Sentem desencanto pela vida: a própria; a que poderiam transmitir; e a dos outros!

Ao falar da defeituosíssima actividade sexual, que se vai descobrindo à medida que o tempo avança, não se curou em determinar se era um relacionamento moralmente lícito ou ilícito. E assim se fez  não porque se tenha caído no relativismo moral que é fundamento dos desregramentos actuais, mas sim por pretender apurar o grau de qualidade desses connubia sob um ponto de vista meramente fisiológico. Não será a nota de licitude que levará uma obra de fancaria a transformar-se em  cópula de sucesso. Pelo que a ferida onde há que pôr o dedo é o seu desprezo por tudo ou quase tudo que não traga o selo de uma catequese vizinha do niilismo. Descansando, nestas balizas, de que nem talvez os próprios se inteiram conscientemente, estão persuadidos que cumprem e acabou-se: o mais não lhes interessa!

A geração, que oscila entre os vinte e os trinta anos, a geração que serve de título a estas linhas, mostra fortes indícios de ser uma geração condenada. Os que a compõem, salvo felizes excepções, pensam que tudo sabem; não escutam conselhos; e acham que de nada precisam. Evidentemente, aos que se comportam por este modo é difícil, senão impossível, ensinar-lhes o quer que seja; orientá-los; ou dar-lhes alguma coisa. É, por consequência, esforço absolutamente vão: hão-de morrer nas teias da soberba em que cresceram. No meio de toda esta empáfia são escravos, bem possivelmente com menos noção da própria dignidade, que lhes cabe como pessoas humanas, do que aquela que ainda sobrava a alguns entre os que os precederam nesta deplorável condição. Assinale-se isto, porque é marca de como e quanto se deixaram reduzir à mesquinhez do automatismo. E bom número deles, se lhes é chamada a atenção para a triste situação a que desceram, nem disso fazem caso. Mais do que pelos sistemas imperantes que os engolem, dão impressão de revolver-se com gosto na desumanização para que resvalam sem cessar. Romperam caminho que supunham juncado de rosas: só colheram espinhos; o corpo saiu coberto de chagas; a alma a sangrar; e, cheios de uma suficiência que é sempre timbre desonroso, têm a desfaçatez de se proclamar realizados.

Que feitos deixam a perpetuar-lhes a memória? Até agora, que completaram de bom, de belo e de grandioso? Muitos já se abeiraram de  idade condizente a revelar-se com maior ou menor distinção. E mesmo dos mais novos seria de esperar que se fossem afirmando como ridentes promessas. Infelizmente, não sucede o que era desejável. Sente-se a desolação quase completa: vivem sobre si próprios, cada vez mais isolados mesmo entre os da sua criação. Deles, parece que o futuro apenas dirá, em breve nota: passaram! E eis tudo!8

Num teimoso e imenso despudor, esta gente confessa ser contrária à guerra porque lhe atribuem a perda de muitas vidas. Realmente, na guerra verifica-se a triste ocorrência da morte. Melhor, porém, fariam algumas dessas pessoas se olhassem as mortes a que dão causa, grande parte das vezes; e noutras, em que não vão além de ser mera ocasião, mas com uma negligência altamente censurável.

Ninguém, de coração, deseja a guerra. Mas a certos coros de um sentimentalismo assaz duvidoso, pouco crédito se lhes pode conceder, porque esses lugares estão prenhes de vozes de quem carrega a culpa de crimes contra a vida, praticados quer por acção, quer por omissão – aborto; eutanásia; sexo feito lixo não matam menos que a guerra! Com grande vantagem a favor da guerra, se a apreciação obedecer a regras morais.

Embora não se afastem as mais profundas razões éticas, estilo que o Movimento Legitimista Português, desde a sua origem, se vem esforçando por defender, neste passo apela-se somente a um princípio de coerência mental. Assim, parece forçoso declarar a inconciliabilidade que há entre condenar a guerra porque nela se morre e, simultaneamente, tomar posição a favor do aborto. Traga-se, ao de cimo, o que nenhum desses pelotiqueiros de um verbo enganoso ignora, enquanto maliciosamente quer convencer dos seus bons propósitos quem lhe dá ouvidos: quem mata, na guerra, está vulnerável; no aborto, o feto é vítima indefesa e os que o destroem não se expõem à morte! Deixando ao lado palavras amenas, este confronto leva a concluir do seguinte modo: a guerra é um flagelo para que nos empurra o pecado; o aborto é, in abstracto, crime de uma repugnante cobardia, que apenas a doutrina da não-exigibilidade poderá desculpar, sem que porém o justifique, havendo ainda o recurso ao estado de inimputabilidade de quem vive este drama (haja em conta o padecer da Mãe, a qual poderá, nalguns casos, colher o favor deste juízo indulgente). No entanto, aqui já se invade o domínio da casuística, o que diz respeito a uma análise subjectiva que exorbita do intuito do presente texto, embora cumpra lembrar que isto mesmo, ainda que no mais directo exame do problema, nunca invalidará a censura dirigida ao facto que é o aborto, na sua dimensão objectiva.

A terminar, ainda umas breves palavras mais a respeito da eutanásia, esse crime de homicídio chamado daquele jeito por mor de um cinismo que se pretende eufémico. Vem de molde realçar o parentesco que a língua grega revela entre eufemismo e eutanásia. Esse laço apenas expressa que há tanto de bom e de verdadeiro no que oferece a morte por eutanásia, como o eufemismo adoça a rudeza de um termo ou de uma ideia. De alto a baixo, de uma ponta à outra, temos a incoerência a dar cartas!

Não é o paciente que alegadamente pede e permite que lhe apressem a morte porque não suporta mais sofrer? É pelo menos o que se conta! Mas não é acaso o paciente, nessa hora de tremendas dores e angústias, alguém que tem alteradas as suas faculdades, o que necessariamente se reflecte na sua lucidez e num consentimento que, de resto, nem sempre sabemos em que medida foi prestado?

Seja quem for aquele que tão atrozmente pena, o seu estado mental e anímico nesses terríveis momentos não se distingue do que move quem celebra um negócio jurídico com a vontade viciada por alguma das causas que, em direito, determinam a anulabilidade. Não repugna até aceitar que, em tal quadro, a imputabilidade do paciente pela eventual ilicitude do facto, se encontra amplamente diminuída senão mesmo dirimida por completo. Logo, grande, imensa, descomunal é a responsabilidade de quem lhe dá morte, porque outra acusação não cabe aqui. E esta culpa é exclusiva desses que tão feia acção praticam!

Por este andar anárquico, não faltará quem tente legitimar o trato através do qual uma pessoa se obrigue a servir outrem como escravo, sendo para ela suficiente declarar que assim procede porque desse modo o quer. Quando se erige a vontade em padrão da moral, tudo acaba permitido. Esta é, desgraçadamente, a filosofia dominante que, há largo tempo, dá o tom aos povos.

Aqui se deixa, pois, o sumaríssimo relato de alguns males que ameaçam o género humano, muito possivelmente os determinantes principais da decadência vivida. No corpo social, não são certamente agentes menos inócuos que o vírus desta pandemia. Serão talvez mais lentos a produzir os seus efeitos, mas que também são letais, lá isso só restarão dúvidas a quem deseje caminhar de olhos vendados para o abismo. Instalou-se uma cultura de morte! O vírus passeia-se no seu habitat e nele vai estadeando o seu poder mortífero.

Mas Ser é melhor que não-Ser. Por isso, o Bem triunfará sobre o Mal, sem contar de que espécie for este. Já não é só a fé que o assegura; o mero entendimento também nos induz a esperar igual remate!

Semana Santa
Coimbra, 2020

Joaquim Maria Cymbron
_________________________________________________________________________________
  1. Por esta altura, eu ainda depositava fé na verdade da anunciada pandemia. Agora, cada vez acredito menos nela porque chego a duvidar da existência de um vírus, até hoje muito mal definido – se é que cientificamente se pode considerar definição a que dele dão – e que apresentam como sendo a causa do mal que tanto terror semeia. Todo o texto acusa, pois, a suposição em que, talvez precipitadamente, eu me encontrava. Porém, essa ilusão não alterou o fundo daquilo que exponho: o meu pensar acerca da geração, de que falo, é o mesmo com a alegada pandemia ou sem ela. Infelizmente!
  2. A Paz, à qual se alude, aquela que devemos apetecer, não a que se paga com demissões, porque essa também a encontramos nos cemitérios de corpos e nos ergástulos de almas, a Paz ideal, portanto, é a Paz que S.to Agostinho definiu nestes termos: «pax omnium rerum, tranquillitas ordinis.» (De Ciuitate Dei XIX, 13, 1). Tranquillitas ordinis, ou seja de uma tranquilidade de ordem, mas ordem que repouse sobre os valores perenes da Justiça. De outro modo, nada nem ninguém ficaria em Paz.
  3. Gen. 18, 32.
  4. Summa Theologica I-II, q. 91, a. 2.
  5. J. A. da Silva Soares – Pólis, 3, col. 320.
  6. I Cor. 13, 13.
  7. Sobre a estátua do italiano, como não podia deixar de ser, choveram já muitos juízos fundados em processos de intenção que, boa parte das vezes ou mesmo sempre, não terão escapado à falta do rigor exigido a qualquer crítico. A culpa, porém, cabe aos que nos dizemos católicos, porque deixámos o puritanismo protestante cobrir a realidade sexual como sendo algo vergonhosamente pecaminoso. Ora isto é um erro colossal! Pelo sexo, tanto o homem como a mulher, se o viverem de acordo com a lei eterna, participam, de um modo secundário e subordinado, na obra da Criação como causas instrumentais dispositivas de Deus. Não se estranhe, pois, que a mulher entre num momento extático, o qual nada tem a ver com o da Doutora Mística, de natureza perfeitamente distinta e cuja génese é exclusivamente sobrenatural.
  8. Há mais de trinta anos – o que demonstra que se trata de um fenómeno de gradual degenerescência – Miguel Torga escrevia estas luminosas palavras: «Demorada conversa com jovens. Vieram de longe para falar dos seus problemas. É sempre dos problemas deles que os jovens de hoje falam. Dos que dizem respeito aos pais, aos avós, aos mais velhos, não querem saber. (...). Além dos vinte anos, a humanidade e os seus dramas já os não interessam. Estoicamente, (...), fui aguentando aquele egoísmo, de que os próprios não tinham sequer consciência. É, de resto, essa crueldade inocente, sem maldade, essa indiferença sem remorsos, que singulariza de maneira terrível como fenómeno social a presente geração. A nossa lutava apaixonadamente com os progenitores, o que era ainda uma maneira de os honrar. Ela ignora-nos, pura e simplesmente. (...).» E concluía de forma impiedosa para com as reais culpas das gerações pretéritas: «Temos o que merecemos. Fizemo-la nascer num mundo sem esperança. Não queiramos agora que nos esteja agradecida e se reveja em nós. Quem não tem futuro, não tem passado. (...).» (Diário XIV, Coimbra, 13 de abril de 1984).
JMC

sexta-feira, 27 de março de 2020

RIP





A Secretaría Política de S.A.R. Dom Sixto Enrique de Borbón firma comunicado em que participa um lutuoso acontecimento, nos termos que seguem:

Ha fallecido María Teresa de Borbón Parma


qui 26-03-2020 20:58
Para:

Cc:

S.A.R. Don Sixto Enrique de Borbón comunica que en la tarde de este jueves 26 de marzo de 2020 ha fallecido en París, a los ochenta y seis años de edad, su hermana María Teresa de Borbón Parma y Borbón Busset, víctima del coronavirus COVID-19.


Don Sixto Enrique se encuentra muy apenado y ruega oraciones por el eterno descanso de su hermana. Mañana viernes en Madrid oficiará un funeral el Rvdo. y Excmo. Sr. D. José Ramón García Gallardo, oficial de la Orden de la Legitimidad Proscrita.

María Teresa de Borbón Parma había nacido el 28 de julio de 1933, hija del entonces Infante Don Francisco Javier de Borbón y Braganza, Príncipe de Parma y de Plasencia (quien en 1952 se convertiría en Javier I, Rey legítimo de las Españas), y de su esposa Doña Magdalena de Borbón Busset.

R.I.P.

Imperioso se torna para este blogue, defensor da Tradição e da Legitimidade, que ambos são valores universais, vestir luto e depor perante S.A.R. Dom Sixto os protestos do seu profundo pesar!
Que Deus guarde e conforte Sua Alteza Real!

P.N.; A.M.; G.P.!